27 maio

UNIP — Unindo o mundo físico e o virtual para uma nova educação

De repente, o modelo de educação precisou mudar em tempos de pandemia. O Grupo UNIP-Objetivo se viu na situação de, sem qualquer preparação prévia, migrar meio milhão de alunos, das mais diversas faixas etárias, do ensino presencial para salas de aula virtuais. A parceria tecnológica com a Microsoft e o trabalho de integração realizado pela ITCore permitiram, com a utilização do Office 365 e do Teams, recriar on-line um ambiente de estudo semelhante ao de uma sala de aula física, com recursos que se mostraram extremamente eficientes. Tanto que, daqui para a frente, medidas que seriam de emergência passarão a ser adotadas normalmente no dia a dia dos alunos do grupo UNIP-Objetivo.


A Instituição

O Grupo UNIP-Objetivo é o terceiro maior grupo educacional do Brasil, atuando desde o ensino infantil até o doutorado. Conta com cerca de 750 mil alunos em diferentes unidades: 28 campi próprios da UNIP, 10 unidades próprias de colégio, 48 faculdades associadas, 1.200 polos de ensino a distância no Brasil e mais um polo do Japão.

O desafio

Do DNA presencial à sala de aula remota sem qualquer preparação prévia

O grande desafio do UNIP-Objetivo no período de pandemia foi migrar para um modelo on-line, muito rapidamente, todas as atividades pedagógicas de um grupo que, apesar de atuar fortemente na Educação a Distância, tem seu DNA construído sobre as aulas presenciais. Em menos de um mês, sem qualquer preparação prévia, todas as unidades do negócio, voltadas para as mais diversas faixas etárias, precisariam adotar o ensino on-line.

Marcello Vannini, diretor de tecnologia do UNIP-Objetivo, dimensiona o problema: “estamos falando na movimentação de um pouco mais de meio milhão de alunos para um novo ambiente pedagógico, que deveria ser implementado em um curto espaço de tempo, para não impactar o negócio. E aí foi fundamental a parceria tecnológica com a Microsoft”.

Vannini precisava de uma ferramenta:

  • Capaz de uma integração rápida aos ambientes legados do grupo
  • De fácil assimilação por todos os alunos
  • Passíveis de integração a sistemas de colaboração

Pois, diferentemente da Educação a Distância, nesse caso seria fundamental a interação com os professores e a participação virtual dos alunos durante as aulas. Ou seja, a construção de salas de aula remotas, funcionando do modo mais próximo possível de uma classe em moldes tradicionais.

A solução

Meio milhão de alunos em transição

A implementação do Office 365 veio responder a esse desafio no que toca a reunir aplicações de uso cotidiano, de conhecimento geral. Assim, essa plataforma foi implementada para toda a rede educacional para, em seguida, criarem-se salas de aula virtuais para todo o sistema de ensino básico e fundamental com o Microsoft Teams.

Marcello Vannini relata:

“Dividimos o projeto em duas fases: primeiro, entregamos as credenciais do Office 365 para todos os nossos alunos. Depois, procuramos um parceiro com expertise técnica para integrar a principal ferramenta – no nosso entender o Teams – que possibilitaria a colaboração com os nossos ambientes legados. Então, fomos ao mercado e trouxemos a ITCore pra encabeçar esse projeto, começando pela unidade de negócio mais sensível do grupo, que é o Colégio Objetivo”.

O Colégio Objetivo, que tem sua origem em um curso preparatório para o vestibular de medicina criado em São Paulo no ano de 1965, é hoje um dos principais colégios do Brasil, com unidades próprias e conveniadas em todo o país. Com o Teams integrado a seu sistema de gestão acadêmica, foi possível a ITCore provisionar salas de aula virtuais para todo esse sistema escolar, estendido depois a todo o grupo.

Integrado ao Office 365, o Teams conecta professores e alunos, propiciando uma experiência bem diferente da videoaula ou da utilização de uma aplicação como a videoconferência.

Isso porque o Teams é um hub que reúne uma série de soluções da Microsoft, permitindo que professores e alunos disponham, por exemplo, de um calendário de aulas, biblioteca de arquivos e e-mails da turma.

Forma-se, com o Teams, todo um ecossistema capaz de realmente criar uma sala de aula virtual em que o professor tenha a agenda do aluno, acompanhe suas atividades, crie grupos de estudo, ou utilize conteúdos digitais separados, por canais, contribuindo para que professor e aluno tenham uma experiência semelhante à da sala de aula – mas sem contato físico.

Benefícios

Unindo dois mundos

“O principal benefício, para nós, foi perceber que é possível suprir o ensino presencial com uma ferramenta de colaboração tecnológica” afirma Vannini.

E comenta que “é muito complicado transpor para o mundo virtual toda a rotina, toda a vivência que o aluno tem no colégio. Que não se resume a receber conteúdos. Ele troca ideias e brinca com os colegas, ele esbarra com o professor nos corredores… E, em uma certa medida, o Teams conseguiu linkar tudo isso para nós”.

Vannini relata a experiência de professores que perceberam inclusive uma maior participação, maior engajamento de boa parte de alunos nas salas de aula virtuais do que nas físicas, muitas vezes tornando mais confortável a relação com o professor, pela possibilidade – que pode ser importante para os mais tímidos – de tirar dúvidas por meio de ferramentas on-line, como o chat, que não os expõem perante a turma.

“Eu acho que estamos passando por um processo de acomodação contemplando o melhor dos dois mundos – o presencial e o virtual – em que não haverá mais um linha divisória tão clara do tipo: “olha, você é um aluno de modalidade presencial”, “você é um aluno de modalidade on-line ou de modalidade a distância”. Eu creio que a tendência é chegarmos ao um consenso no sentido de que estudar, agora, será um mix com alguns momentos de interação presencial e outros 100% on-line”.

Share this

Leave a reply